janeiro 30, 2005

:::Sessão Poesia:: Fantasma :::

Fantasma da escuridão
Faz tua aparição,
Cura a minha febre,
E depois me abandona
Em minha cama.

Solita eu fico
Nessa noite de chuva
Nessa noite de calor
E de ausência de palavras.
O silêncio da tua boca
Denuncia teu segredo.

Mas tu é maldito,
Trocou meu amor
E a minha bondade,
Que você tanto preza,
Pela noite solitária
Pela noite tagarela,
Cheia de pensamentos.

Justo agora!
Quando mais te preciso
Você escapa portão afora,
Olhar confuso
E língua amarga,
Soltando brumas pelo cigarro.



2 comentários:

Ricardo Almeida disse...

Silêncios são às vezes mais eloqüentes que mil palavras. Nas brumas nos buscamos...
Adorei o poema!
bjs

Ricardo Almeida disse...

Obrigado pelas visitas (e comentários) ao Poesia Residual. Continuo fascinado pelos seus textos e sempre querendo mais. Larga mão de ser preguiçosa e mostra mais desse talento pra gente!
bjs

Refletidos

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.