março 30, 2010

Canvas

Brigas, jogos, sexo.
Cochilos, faxinas...
Caminhadas.
Noites esparramadas na rede.

Tudo isso é produto de tédio.

A poesia e a arte, essas não!
A poesia é o produto das sinapses que,
como guris serelepes, sorridentes e atentados,
correm e brincam na nossa cabeça.

A poesia é a moldura pro quadro da minha vida.

No Twitter...

Escrevia no ar, sem tinta, sem pena, sem letras. Gostava das coisas simples e dos versos de vento#curtaconto

março 29, 2010

Da menina que cheirava uma carreira de pó diante dos meus olhos desfocados

Era uma menina bonita
que trabalhava na Vila Mimosa,
e cheirava uma carreira de pó.
E é só.

Que vou eu dizer?
Não posso fazer julgamento,
pois sabe lá qual é o sofrimento
de uma menina bonita
que trabalha na Vila Mimosa.

Pior eu que,
do alto dos dezesseis anos que ostentava
não conseguia olhar nos olhos da realidade,
que me batia na cara.

Questionamento

Não, eu não trouxe carregador pro celular.
Trago comigo carregador pra minha alma:
Poesias de Mário e Cecília.

março 24, 2010

testemunha ocular

Eu os vi, naquelas tardes de domingo, preguiçosamente jogados nos bancos da praça.
Eu os observei, temeroso, enquanto os dedos do rapaz roçavam calidamente as coxas dela, que desacortinavam-se daquela minissaia apertadinha. Suas pernas grossas espreguiçando a cada toque dos dedos queridos e os pézinhos que ritmavam alguma valsinha.
Eu vi os olhares de cumplicidade enquanto teciam sonhos vespertinos.
Eu via brotar de suas bocas artigos de decoração, estantes de livros, amparos para pratos, lençóis brancos trocados a cada três dias pelo excesso de uso.
Eu via um cachorro imaginário lhes rodeando e se coçando por falta de banho, e um gato tão preguiçoso quanto os donos a fofocar na janela, enquanto eles liam livros que lhes havia roubado a manhã na praia.
No chão, folhas e cadernos jogados às pressas, porque estudar é preciso, mas amar é maior do que isso.
Sempre se arranja tempo pra amar, e pra roçar os dedos entre as pernas dela sem que as crianças da praça vejam, sem que o cachorro peça atenção, sem que o gato mie, sem que o mestrado os enlouqueça...
Eu vi um caminho de liberdade e felicidade que saía das folhas de jornal que carregavam, naquelas tardes de domingo.
Hoje, que já trilharam esse caminho, já não os vejo mais nem a sua vida de imaginação.
Talvez, porque agora eles a vem.

março 19, 2010

Tratado de Paz

Depois da mágoa e da tristeza,
de batalhas travadas e vencidas,
de lambidas e curadas as feridas,
depois do sangue derramado,
da cera queimada, do sono desvelado,
da reza inexprimida nas lágrimas cativas,
depois de todo engodo residente
nas tentativas frustradas de paz,
os soldados não tem mais nome.
Depois da guerra acabada
Os nomes não tem mais rosto.

março 02, 2010

Mural de idéias aleatórias [2]

moto

velocidade

ruptura

abrupto

brusco 

estancar

estagnar (e-gor) 

Que ideias essas palavras te trazem? Eu ainda to processando...
Mas vou ficar satisfeita em ouvir vocês. Vai que me inspiram? Tenho certeza do potencial que meus amigos tem de me inspirar.

Ideia #1: As contribuições dadas vou adicionar ao mural, que serão adicionadas nas próximas produções. Contribua! 

Refletidos

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.