dezembro 29, 2008

ensaio

Quero descobrir você
e pouco a muito
gradualmente
montar as peças do mosaico
que forma tua espécie.

Quero as cenas, as músicas
as letras e sussurros
que arrepiam a tua nuca
e criam as conexões exatas
do teu cérebro.

Absorvendo tudo e assimilando
cada detalhe microscópico
será possível que venha a compreender
a complexidade do teu cosmos
que tanto intriga esse meu
ego escorpiano?

E sem nada dizer
Chegar o dia em que eu possa
apenas fazer um contato visual
um relance só de olhar
que possa me fazer entender
o que você quer de mim
e desse nosso momento, agora.

dezembro 28, 2008

Ônibus inspirador

On the bus alread
Got no one to tell
I'm going home
But I don't care
Cuz I'm so much better
On my own.

Cuz I'm gonna spread my clothes
On the floor
And sing till
My lungs no longer exist

And when my body
Can resist no more
I'll be happilly in bed
And sound asleep

dreaming of better days than these
even thoug these are blessed days
For i am young and very much alive,
thank you.

Do u even care about it?

novembro 30, 2008

a volta pra mim




Tudo traz a saudade perene
Que eu tenho de mim mesma,
porque eu estou nos montes,
nas fendas, nos campos,
nos bichos, nas árvores
nos rios que correm, baixinho.
Nas cachoeiras que rasgam
meu ventre terreno e vermelho.
Nos sorrisos antigos e amigos.
Nas lembranças de infância
e de quando em quando
eu tenho que voltar pra mim.

Que saudade de mim!

novembro 26, 2008

Sem trava




cerveja cigarro mojito tequila
segura a onda menina!
cortina de fogo esconde desilusão
mas não cura fissura de coração.

beijo triplo
pega menina
perde a moral
esquece a chave
pula o muro
choca o mundo
assusta o vizinho
o único bálsamo é a música!

um beck pra voar
a noite toda fora
não há ressaca que água não cure.
mènage à trois
ainda tá pra nascer homem que ature!

novembro 24, 2008

Balé




Cada movimento seu
corresponde a um carinho meu.
Nesse balé de mãos e bocas
E susurros de palavras loucas
Me perco, me entrego
Renego todo e qualquer segredo
Porque se eu sou tua
Sou tua
Sem quê, nem porquê
Hoje eu sou pra você.

novembro 23, 2008

Céu de granito




Nessa tarde de chuva e céu de granito
Só queria querer um perfume, um sorriso
Um abraço, um alguém
Que lançasse meu pensamento ao infinito.

Até este momento tudo esteve tão calmo.
Gotas de chuva e vento frio foram alento
Quando pra uns são sinal de tormento.

É a minha natureza, gostar de uma beleza
Com um toque de aspereza.

Mas e agora, como que eu faço?
Acabei de ver aqui dentro um grande espaço
E tanto lugar deu um certo embaraço...

novembro 22, 2008

Coisa de botequim

Acho que ando muito confusa
Eu só faço o que não quero
E o que eu desejo
Me falta coragem de buscar.

É como se soubesse o que fazer
mas algo me impedisse de andar.

Ontem à noite
Eu não reconheci as esmeraldas saltitantes
Que encontrei do outro lado do bar
Foi como sonho em pesadelo
E o pior foi reconhecer ainda a carícia do teu olhar

Comprovei o incomprovável
E quis muito apresentar mais resultados
Mas uma falsa moral mista com timidez
me impediu
O que era meu deixou de ser
Depois que pelo ócio eu abri mão.

E agora como clamar por um direito
Do qual eu mesma renunciei?

Se algum dia houver ocasião
Peço ao meu pobre coração
Chance de me redimir
Pra que possa haver perdão.

novembro 05, 2008

Poesia do aniversário




O mundo pode ser ainda tão mágico...
Numa esguelha de olhar
Cato um canto de sorriso
No pinga-pinga da goteira
Uma música ressona

Reverberam os pingos de chuva
assim que se soltam do manto azul do céu
Girassóis de plástico têm cheiro
Giram até emitirem luz.

A luz vai e volta
no vai-e-vem do pêlo do gato
deitado sob o sol de lamparina.

E eu, e eu!
Tão egoísta ,perdida em formas e luzes
à beira dos vinte e quatro
volto a ser menina.


P.S.: Vale a pena dormir com a camisa do Led. Mesmo que vc acorde totalmente nua.

Led

Hoje eu vou dormir
com a camisa do Led
porque to precisando
de inspiração pra sonhar.

Nada contra a realidade
mas sonhar traz
tanta permissividade
abre portas pra lugares
que não costumo entrar.

E to querendo coisa nova
direção ou coisa que valha
é foda andar sem parar
e chegar a nenhum lugar.

Toda situação tem seus defeitos
e nada na vida é perfeito
mas uma dama sabe a hora
de se retirar.
Uma garota esperta sabe a hora
de mudar.

novembro 03, 2008

Platéia



Quero aprender com os meus erros
Consumar os meus desejos
Viver a vida do meu jeito
Afinal, to no meu direito
E não preciso de platéia pra aplaudir.

Se eu pedir um conselho
É porque eu sou assim
Não quer dizer que eu não sei
à o que vim.

Eu já fiz muita besteira
Também já disse muita asneira
Mas se errei me corrigi
Portanto, nunca me arrependi.

Se deixo de fazer isso ou aquilo
Não é porque eu tenho receio
É porque hoje eu penso mais
Antes de agir.

E se há algum problema nisso
Eu até posso te ouvir
Mas não pense você
Que eu me furto ao direito de discordar.

outubro 24, 2008

Resiliência






Assim como quem não quer nada

Abandona o olhar na onda quebrada.

Justapõe problema e solução

E faz de conta que tudo não passa

De uma mera criação.

Foi bobagem, foi besteira!

Pra quê tanta aspereza

Se a gente pode ponderar

E encarar tudo com leveza?

outubro 22, 2008

Prece





Só vim pedir

Hoje aqui

Um coração de papel.

Nada mais eu quero nesse mundo

Pois não posso mais carregar

No peito este rancor de chumbo.

Vers du pas perdu

Versos dos passos perdidos


Je va me promener
C'est soir
Car je ne peux pas t'attendre.

Je va sortir c'est soir
Car je suis fatigueé maintenant.

Je ne peux pas sonrier.
Je ne peux pas pleurer.
Je peux seulement marcher
Jusque mes pas sont perdu
Parce que tu ne va pas venir aujour'd'hui.

Jamais tu vendrerai, mon nouveau amour?

C'est le matin...
Je suis malade
et je ne peux pas te chercher.
Et je ne sais qui tu est
Mais je t'attendre
Je t'attendre alor
parce que mes pas sont perdu.

Eu vou caminhar essa noite
Porque eu não posso mais te esperar.

Eu vou sair esta noite
Porque estou cansada agora.

Eu não posso mais sorrir.
Eu não posso mais chorar.
Eu só posso andar
até que meus passos estejam perdidos
porque você não vem hoje.

Você nunca virá, meu novo amor?

É de manhã
Estou doente e não posso mais te procurar.
E eu não sei quem você é
mas eu te espero
eu te espero, então.
Porque meus passos estão perdidos.



P.S.: Se alguém falar francês, não me importo com correções. Se alguém falar português, idem. =P

outubro 17, 2008

Chanson des jeunes amourexes

Canção dos jovens apaixonados

C'est plus tard dans la nuit
On va rester ici
et regarder les etoiles.
Et quand tu est tombé amouréux
on va a chez moi
oú je va te serrer dans le bras,
baiser ta bouche rose
et laisser passer une nuit sans rêves.

É tarde da noite
Nós vamos permanecer aqui
e olhar as estrelas.
E quando você estiver apaixonado
a gente vai até a minha casa
onde eu vou te abraçar,
beijar sua boca rosa
e deixar passar uma noite sem sonhos.



No ouvido: Carla Brunni; KT Tunstall; Edith Piaf; Laura Pausini, Andrea Boccelli

setembro 16, 2008

Indicação [2]

Criei um blog em que conto como foram as últimmas viagens que fiz e as dicas que tenho pra dar sobre os respectivos lugares.
Comecei com as últimas férias, que foram Fortaleza.
Afinal, a pessoa precisa de inspiração pra escrever,e não sei o que amo mais: escrever ou viajar.
Tá, escrever. hehehe
Mas acho que pra escrever, no meu caso, é preciso viajar. Nem que seja no mesmo lugar.

qual o seu Destino?

She's not in love

She picks up your late night phone calls
And leads you into existencial discussions
With the same casual look in her eyes
As she chooses pancakes.

And she knows what your dreams means
And how your family can be mean
Holds your hand like you're the last guy
on the face of the Earth.

She picks up boys in front of you
Just to say to you how they're not meaningful
And how you're the only one that matters to her.

And what do you have to say when you spend the night
And she holds on to you so tight you can't breath
And you're still thinking
“That's alright”

But she's no in love with you, boy.
Oh, no
She's not in love with you.
You're just another lousy laid
She had in these past few months.

She's not in love with you, boy.
She's not in love with you.
You're just a buddyfuck with privileges
Tomorrow will be just another day.
Oh,no.

setembro 11, 2008

Canoa Quebrada




Cheguei aqui pra me encontrar
Pela lua-estrela vou me guiar
E se algum dia meu amor me deixar
Ainda vou ter em Canoa
A vaga do mar.

Como um só,
Como um só!
Eu e a vaga do mar, meu bem
Como um só.

Na areia branca meu pé afundar
E das aflições meu coração vou acalmar
Quando o ultimo candeeiro se apagar
A estrelas de Canoa vão brilhar
E eu ainda vou er um beijo pra lembrar
E outro ao adormecer, perto do mar.

Como um só,
Como um só!
Eu e a vaga do mar, meu bem
Como um só.


Como um só,
Como um só!
Eu e a vaga do mar, meu bem
Como um só.

agosto 29, 2008

A Santa Suja

Espera o peregrino Romeu
Beijar-lhe as mãos
Perfumadas de lótus e rosas
Ornada de ouro e velas
Espera o viajante chegar

Ajoelhado e a olhar pra ela
Como que pra uma estrela a desejar
Que mais próxima estivesse
“Santa, vinde meus olhos alumiar!”

Não ores com tanto afinco
Romeu, latim vais desperdiçar!
A santa é suja e despreza
Todo o teu suplicar!

Tem nas mãos a morte,
a miséria e o mendigar
Traz nas rosas a mentira
E o perfume enxofre vai virar!

agosto 24, 2008

Indicação

Leiam isso, por favor.
Abracem alguém hoje, por favor.
Amem sempre, por favor.
Sonhem em cada segundo, eu lhes peço.

http://retalhossemtempo.blogspot.com/

Meninos

Ah, meninos!
Gosto das suas cinturas
Sejam elas como forem.
Minto, gosto das suas peles,
Sejam elas da cor que forem.
O que me importa é o cheiro,
Aquele cheiro de "te quero".

Gosto das suas mãos grandes
E dedos finos de pianista,
Quando não daquelas com nós nos dedos,
Nós que eu gosto de morder.
Nós que se formam pela mania de estalar.

As mãos estalam porque são nervosos, neuróticos
Controladores, possessivos, porque amam demais.
Alguns amam demais a si mesmos.

Ah, mas eu gosto quando sorriem!
Ah, quando sorriem...
Quando brincam feito moleques,
Quando correm desengonçados
E falam besteira, só por sorrir.
Eu amo os meninos quando sorriem.

E me apiedo quando choram,
E gozo quando sofrem,
Porque sou doente...
Porque prefiro vê-los assim,
Vulneráveis e cansados,
São mais fáceis de alcançar...

Ah, meninos...

agosto 21, 2008

O engarrafamento

Eram 18:00h e Marco saía do trabalho. Estava exausto. Sentou no ônibus, sem figuras de linguagem que expressassem a fadiga.
Colocou o MP3 no ouvido e fechou os olhos.
O ônibus passou da Praça XI com sofreguidão. O trânsito estava absurdamente lento. Passado o prédio da Univercidade, melhorou e o ônibus seguia o fluxo. Na altura de Vila Isabel, parou tudo novamente. Os ônibus, carros e vans enfileiravam-se, tornando seus passageiros mais íntimos visualmente do que talvez gostariam.
Tocava Lulu Santos. Ele cantarolava dentro da sua cabeça, tranquilamente, até que virou o rosto e no ônibus ao lado, quase vazio, viu sentado uma loirinha magrinha e delicada, ajeitando fones de ouvido, deliciosamente apertadinha em um vestidinho de bolinhas cintado. Ela abria e fechava a boca, como que cantando pra si mesma.
Ouvindo na cabeça a sua música, distinguia na boca dela as mesmas palavras:

“ Eu gosto tanto de vocẽ
Que até prefiro esconder
Deixa assim ficar subentendido
Como uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor intenção de acontecer.”

Quando a loirinha se virou, ele cantarolava a parte do “pode até parecer fraqueza”.Ela sorriu.
Ela sorriu!, ele pensou consigo mesmo, sentindo-se sortudo.
Ele sorriu e disse o “pois que seja fraqueza, então.”
Ela riu,
Ele puxou de um caderno e mostrou pra ela, escrito: “Temos várias coisas em comum!”
Ela fez uma cara de interrogação.
Ele virou a página.
“Estamos presos no mesmo engarrafamento.”
Ela fez que sim,
“ E gostamos da mesma música.”
Ela sorriu de novo.
“Podíamos ter mais uma coisa em comum.”
Ela fez uma carinha safada de questionamento, outra vez, sorrindo mais dessa vez.
“Podíamos ambos saber o número do seu telefone!”
Ela riu. Ele quase podia ouví-la gargalhar.
Com os dedinhos, ela mostrou cada número, enquanto ele anotava no caderno.
Ele mandou um SMS.
“Em casa, te ligo, e canto as músicas do Lulu no seu ouvido.”
=) , ela respondeu.
Rá, ele pensou.

agosto 18, 2008

A fama é um espelho de duas faces.

Mal chegou na Pça Tiradentes, arrancou o casaco. O inverno carioca é ameno demais, pensou.Imagino como deve estar Friburgo a essa hora.

Foi até o Largo da Carioca e encontrou uma amiga em uma loja de sucos.

Maryeva era puta e trabalhava na Atlântica pra um cara que tinha inúmeros sobrados na Lapa e alguns apartamentos também. Um deles, Maryeva dividia com uma colega, de quem Alice não gostava, sem saber o motivo. Seu santo só não batia com o dela.

Na dúvida, sempre confiava na sua intuição. Foi assim que se safou de muita roubada, então, era melhor não bulir com aquela lá.

Maryeva bebia um suco de morango, sua fruta favorita, enquanto contava do Arnaldo, o senhorio e patrão:

“O filho da puta pegou todo o meu faturamento de ontem, sem nem perguntar nada, porque eu atrasei o pagamento do aluguel, e ainda me disse – bebeu um gole do suco e resfolegou, indignada – que tava me fazendo um favor, por me cobrar tão barato...Bicha enrustida do caralho.” , disse ela baixinho, o que não evitou que um cara de meia idade e engravatado lançasse um olhar de desaprovação em direção a Maryeva, seguido de um olhar de análise ao seu corpo violão.

Alice reparou no coroa, o que chamou a atenção de Maryeva, que olhou pra trás e ao notar que o homem a olhava com desejo entubado com sanduíche seco, sorriu safada e maliciosa como uma vaga do mar.

O homem engoliu o sanduíche inteiro, como que envergonhado e com pressa, sentindo o peso de uma aliança no dedo anular e o olhar de questionamernto dos outros convivas da loja de sucos.

“Trouxa.”

Alice sorriu.

“Escuta, vou lá em Laranjeiras. Uma guria me ligou dizendo que ouviu falar de mim e quer me contratar.”

Maryeva ergueu uma sobrancelha entre um gole e outro. “Tá ficando famosa tu, heim?”, gargalhou de um jeito gostoso, mais gostoso do que ela própria.

“É, não sei se isso é tão bom.”, disse Alice, com um olhar preocupado e a voz baixa.

“Porra, garota. Melhor que passar bagulho, não?”

“Pode ser. Fica com a minha chave -Alice mudou de tom – e passa lá mais tarde. Eu preciso que você dê comida pro Salsicha.”

“Uhum, fica tranquila.”

Chegando à Rua Laranjeiras, Alice procurou o número dado pela garota que ligou.”Eu preciso que você resolva um problema pra mim, uma piranha qualquer, vagabunda mesmo.Quero que você se livre dela.”

“Eu só me dou ao trabalho se a criatura não presta mesmo, entendeu?”

“Sim.Te espero às três.”

A garota era bonita, se vestia como uma menina comum da zona sul, como que pronta pra ir à praia pra um passeio.Foi o que fizeram, deram um passeio pelas ruas do bairro.

Nesse interim, Luciana, como se chamava, explicou que tinha um namorado há dois anos, que era igual a todos os outros homens.Era dedicado, e talvez a amasse, mas dava suas escapadas. Mas a garota dessa vez parecia ter cativado o rapaz além do aceitável, pois ela estava se sentindo trocada.E estava sendo trocada.Ele já deixava de estar com ela pra estar com a outra,e isso durava meses.

Luciana precisava saber de quem se tratava, e a queria longe. Talvez uma boa surra resolveria a situação.

“Olha só, não sou dessas coisas. Não gosto de ver ninguém sofrendo. E me recuso a gastar mais de uma bala.”

Luciana se calou.

“Pensa bem. Não é isso que vocẽ quer.”

“Não!”, Luciana deu um salto, “É sim, quero me livrar dela. Não suporto a idéia de ele amar alguém mais do que eu.Isso é impossível, inaceitável, entende?”

Ela tem apenas 19 anos, pensou Alice.Mas tem dinheiro,E eu preciso comprar ração pra gato.

“Metade agora, metade depois que eu descobrir quem é a outra.Isso se vocẽ quiser continuar com isso.”

Alice perscrutou a menina, que devolveu um olhar gélido.

“Fechado.”

julho 16, 2008

Ás minhas irmãs

Aqui eu me deito
Neste leito que já foi teu.
Deste corpo não usufrui mais,
esse corpo que já foi teu.

Destas posses não se gaba mais,
perdido amor meu.
Posto que perdeu-se o coração
outrora por ti habitado.

Vaga perdido o amor
e o antes luminoso desejo,
agora embarcado em navios de trevas.
Recai sobre as mulheres da casa
a antiga praga.

Qual foi a ancestral
que nos condenou a tal funesto destino?
Abandonadas pelo amor,
que perdeu-se na demência
e calado foi pela ira e o ciúme desmedido!

julho 14, 2008

Fumaça azul

Cumprimento minha velha companheira
enquanto me pergunto
onde deixei a caneta.

As palavras querem sair
mas ainda estão escolhendo quem vai primeiro.
Tiram par ou ímpar na porta da cabeça.

E a fumaça azul sobe...
Inspiro-a,
expiro as partidas de vôlei que não jogo mais.

Inspiro lembranças
e expiro a dor do tornozelo torcido.

Foi-se o último portador da fumaça azul
que restava no maço.

Restaram lembranças inúmeras pra respirar.

Do ódio

A minha caneta
É a minha melhor arma.
Fodam-se as facas lindas e brilhantes
Que eu adquiri a bom preço
E as minhas pistolas.

Eu me tornei uma psicótica,
uma ameaça á sociedade
por sua causa.

Mas eu não te culpo.
Nunca te culparia.
Nada é sua culpa, além do vazio.
O vazio é sua culpa.

A minha cegueira é sua culpa
A minha falta de tato é sua culpa.

Ah!

A minha Glock está na cabeceira
Esperando ser usada,
esperando por alguém
que não saiba o que dizer.

Frustração

18:00 h.
Melhor levantar, ela pensou.
A cabeça doía de leve enquanto suspendia pesadamente o corpo. Era como se a levantassem com um guindaste, tamanha a preguiça.
Pra uma pessoa tão cheia de energia, se considerava muito preguiçosa pra acordar.
O cansaço matava, ou melhor, a lembrava de que estava viva. E considerando algumas circunstâncias, isso era bom. Já tinha passado muito perrengue nessa vida.
Porém, por mais que o corpo não obedecesse aos seus comandos, a mente, a sua memória implacável, lembrava que hoje era preciso levantar.Hoje tem trabalho, disse pra si mesma, em voz alta.Não importa o quanto você bebeu ontem, sua vadia.Hora de levantar.
No banheiro minúsculo de ladrilhos azuis, bochechou com água da torneira. Tomada pela ressaca, bebeu um gole da bica mesmo.
Depois do banho, voltava a ser um ser humano e lembrava que era do sexo feminino. Óleo pro corpo, creme pro rosto, maquiagem de olhos marcados e boca de gloss.
Fez um sanduíche, vestiu um pretinho báscio. Bolsa-carteira, botas e trench-coat de couro fake preto e se sentia mulher de novo.

(continuará)

junho 06, 2008

Tonight

Lying in my bed is what I do best
To think of whatever's gone
Or for a nice night of sex.

Never knew life different than this
Maybe that's why I'm so limited
To the same random feelings.
I get scared when it hits me

When I know my steps feel smoother
And my head gets heavier
I get terrified
I'm paralysed.

You get me movin'
You make me wonder
You got me wishing
For the best, for the best.

Day by day
I see new cenes
More colorful and brighter pics
I've got a new way to pick
And I get myself thinking
"What the fuck!"

I don't care if tomorrow
Things will be different
I actually don't mind changing anymore.
I see it in a different aspect,
I see it in a better frame.

Because
You got me movin'
You make me wonder
You got me wishing
For the best, for the best
Tonight.

abril 14, 2008

Lições

Se há pequenas coisas
Que eu vim a compreender
De algumas eu posso dispor
Nesse momento.

Nem todas são palavras de nobreza
e a maioria formam um compêndio
que obtive em momentos de vergonha
e total humilhação.

Mas a primeira e mais sábia
é que só o modesto e humilde
que se rebaixar mais
é capaz de aprender algo.

A segunda lição é o respeito.
Respeito ao tempo,
pois quem o desvaloriza
perde um grande aliado
para todas as batalhas
e é incapaz de verificar
o momento certo dos acontecimentos.

Há horas para a ira,
para a fúria,
o desprezo,
o carinho,
o desespero,
o perdão.

A terceira, mas não menos importante
é que a vida não se guia pelo amor
e nunca se guiou.
A força motriz dos humanos
é o poder e sempre foi.

E ainda o será
enquanto eu, você e todos nós
existirmos na face deste planeta...

abril 12, 2008

My love, my soldier

My love was a soldier
As brave as one can be.
He was noble and kind,
dedicated to his work
and focused on good.

Whatever a girl could ask
from a man,
that man had to offer.

My love was exclusive,
and as blind as it can be.
My love was my hero,
and our story as romantic as it could be.

Our mornings seemed to be from novels,
And our nights from dirty magazines.

Every morning he returned to the field,
fighting for ideals as unbeatable as our love.

He fought so hard, carried on by my love,
that he became a general.

My love was a great general,
full of power and wisdom.
But at once power overcame wisdom
And love was outshaded by despite.

No need to tell my desapointment,
and the fall of Our empire.

I fled in fear
As he destroyed paths to me and others,
sacked villages and murdered children, all at once.

And now that he's back to being just a just soldier
I can't forget the general and its path of blood.

fevereiro 26, 2008

Pão de Açúcar


Procuro em toda parte
Reminiscências de mim mesma.
Em todas as pessoas do mundo
Há um pouco da minha vó,
Da minha mãe,
Da minha tia,
Do meu pai,
Do meu avô,
Do meu irmão,
Dos meus filhos que estão por vir.

E pouco a pouco
Eu remonto
O mosaico que me forma,
Valorizando o que tem brilho
E também o que é opaco
Pra eu ser completa, enfim.

25/02/08.

janeiro 06, 2008

Acabou

Acabam as páginas
mas não as palavras.
Acabam os dias
mas não terminam as preocupações.
Acabam as noites
mas não acabam os sonhos.
Acaba a bebida
mas não se vão os amigos,
não os verdadeiros.
Acabam os encontros
mas não se exterminam os beijos.
Acaba a presença
mas não se vão os carinhos.
Acabam as velas
mas não se termina a reza.
Acabam as rezas
mas não se esvai a fé.
Acabam os sorrisos
e recrudesce a paixão.
Acaba o fim
e vem o recomeço.

janeiro 04, 2008

Esperança

Sou um espírito
estranhamente velho,
que estranha
todos estes novos costumes.

Sou alguém perdido
destes desejos mundanos
que as pessoas carregam.
Alguém que procura
os sentimentos verdadeiros
de outrora.

Enquanto o resto
leva consigo a ira,
o orgulho e a dor,
eu espero a vida,a caridade
e o Amor.

Refletidos

As imagens anteriormente refletidas

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.