janeiro 27, 2010

Maniqueísmo

Ainda não sei
Se é benção ou maldição.

Tem gente que aclama, bate palma
diz ter inveja, queria ser igual.

Não vivo sem estar aqui,
sem isso aqui.
Sem me despejar toda
num ritual de exposição
e limpeza de coração.

Que seria de mim sem isso?
Nunca teria essa leveza.

Mas me diz se é benção ou maldição
escrever poesia ás quatro da manhã
encolhida, mas sem sentir frio
sentindo ela fluir feito um rio?

Porque rio não se pode impedir
Quem poderá a força da água parar?

Não vou me atrever.

Mas então, é benção ou maldição
viver sob um comando de um rio?

2 comentários:

Blue disse...

Não é nem benção nem maldição.
Apenas a vida se mostrando sob todos os aspectos...

Beijos

Ricardo Almeida disse...

É benção e maldição! Mas só essa extrema necessidade é que caracteriza poetas e escritores de verdade, essa impossibilidade de ficar sem escrever, ainda que hiatos de criação sejam possíveis.
No meu caso, os hiatos têm prevalecido, mas vou procurar não sumir de novo. rsrs
A música do Sergio Sampaio tem muito a ver com uma geração que se sentia amordaçada, mas queria muito botar o bloco na rua. Acho que era uma maneira de purgar as frustrações e afirmar o desejo de superá-las.
beijão

Refletidos

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.