julho 02, 2005

da agonia

Da onde ela veio,perguntas.
Veio da chantagem do amor.
Veio da perspectiva de nunca
Perder-me em você novamente, chacal.

Ergueu a guilhotina
E num grito:"Desce lenha!"
Decepou-me a razão.
Pois eis que não sai uma!
Nem uma linha inteligível sequer.

Conseguiste tornar-me perfeição.
Não tenho em mim um produto de razão.
Tudo o que era lóico e claro
Virou uma emoção una e ávida.

Por tua causa,
Perdi-me num continete sem palavras
Que definam meu estado.
Abandonei-me perdida,
E de quebra,
Deixei que tu fosses embora.

3 comentários:

Liliane disse...

tudo q é logico e claro se dissipa....é bem assim.
bjos

Paullo disse...

putz grila. ADOREI. :D
bjs.... e desculpa nao comentar direito... é que sou péssimo "elogista"... :D~~

Luciane Pelagio disse...

Lindo, Fernanda!
A maneira como vc descreve esta agonia tão comum aos que amam e criam sua própria lógica, para não furtar-se da vida , e seus paradoxos.
bjs.

Refletidos

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.