abril 14, 2009

Intimidade

Como pude viver
Um dia que fosse
Sem a inquietude de Carlos
Sem o mar de Cecília
Sem o real de Manuel
Sem o surreal de Clarice?

É tão inesperado e vazio
quanto viver sem o barulho
da minha caneta que,
teimosa, circula o mundo.

E um dia, sem avisar,
se cala.
Se cala.
Com medo, como eu,
se cala.

5 comentários:

Ademar Oliveira de Lima disse...

Estive por aqui aprendendo um pouco com o seu blog!!!
Abraço Ademar!!!

Cláudia I, Vetter disse...

que lindo poema...

me calei de sentir profundo;

e a ternura de um silêncio se exala... sutilezas de um mundo.

belo, belo!

;*****

Aline Dias disse...

olá... belo poema, bela escrita...

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

O Néctar da Flor mais uma vez homenageia os amigos queridos com mais um selo, onde a magia acontece, seja ela qual for.
Não existem regras, apenas repasse com carinho para aqueles que fazem a mágica da escrita criar vida.



Beijos jogados no ar, sempre!

-

Mary West disse...

Teu blog é tão lindo como um dakeles antigos papeis de carta. :)

Refletidos

A imagem refletida

Minha foto

Gaúcha de nascimento, carioca de coração. Advogada, escritora incubada e apaixonada por cultura.